Aqui e agora…

Tarde ensolarada, bonita que só ela, dá gosto de ver! Eu desde cedo vestida para ir à praia, mas a intenção era ir só após as 13h mesmo, queria antes cuidar de umas coisinhas, aquelas que a gente embroma, mas um dia tem que fazer.

Mexi em mais coisas que eram da mamãe, alguns documentos, recibos, agendinhas… Me comovi vendo suas anotações, ela sempre tão organizada, tinha uma letra tão bonita…

Achei seu diploma de Contador, expedido em mil novecentos e guaraná de rolha, uma época em que muitas mulheres eram criadas para serem esposas, mães, donas de casa… no máximo professoras.  Não todas, claro, mas boa parte. Mas ela, filha de uma mulher bem simples e praticamente analfabeta com um engenheiro de mente aberta, foi estudar mais, para ter uma profissão que, segundo orientação sábia do pai, fizesse dela uma mulher independente, dona do seu caminho, do seu nariz, mesmo que se casasse etc. E assim foi, mesmo!

E fui achando mais coisas, eu que já tinha me desfeito de tantas! Alicatezinho de unha, ela que não fazia unhas em casa, mas adorava cutucar de vez em quando… cópias de receitas  de medicamentos controlados, tantos, nossa, já da fase mais crítica… muitos resultados de exames, meu Deus, eu já não tinha jogado tudo isso fora? Hemogramas, exames de vista, eletrocardiogramas etc.  Um monte de coisas assim. Eu via, rasgava, jogava no saco que depois foi para o lixo.

Também umas coisinhas legais, enfeitinhos, até o pato de cerâmica que ganhou certa vez do meu irmão mais novo (já falecido, há 20 anos) e que ela adorava. Aliás, ela amava pato, teve uma época em que tudo na casa era pato, enfeite, pano de prato…rs

Vou aproveitar para mim a frasqueira bonita, parece nova, e a nécessaire espaçosa, fofinha, que vinha e voltava com ela quando vinha passar dias aqui, antes de mudar-se para cá… coisas assim.

Foi comovente, até doloroso, mas foi bom, e é impressionante como isso me deu uma sensação de leveza, de satisfação, e eu nem acabei ainda, mas adiantei e já fez bem. Sem contar que o espaço que isso criou em um armário vai me ser bem útil para a organização de documentos etc. que atualmente estão guardados de um jeito nada legal.

O marido foi trabalhar, eu aqui no micro fazendo hora para ir para a praia… epa, eu fazendo hora para ir ao lugar que mais adoro nesta vida? Que esquisito!  Ok, é assim que quero, então que seja.

E o tempo passa, e eu leio e respondo e-mails, atendo e desligo telefone, vou no blog e vejo os comentários, e vai passando o tempo, e o dia vira tarde e eu resolvo que é hora de ir. Hora? Como assim, hora? E eu de férias lá tenho hora para algo que não seja um dos meus dentistas e amanhã o podólogo? Ok, está na hora que eu disse que sairia para a praia. Ah tá.

O Luke dorme gostosamente, uma hora no chão, pertinho dos meus pés, outra na cama do meu filho ao lado, outra no corredor (de onde me vigia, vez ou outra), outra no sofá da sala, invadido pelo sol gostoso…

Uma companhia tão gostosinha, agora que está mais calmo em alguns momentos do dia, não me requerendo o tempo inteiro para jogar bolinha, jogar brinquedinho, jogar almofadinha…rs

E eu fico pensando que ele está tão feliz com a minha companhia mais freqüente nesses dias, tadinho… logo voltarei à rotina e ele, duas vezes por semana, há de se conformar em ficar boa parte do dia apenas com o som do rádio e/ou da televisão (sim, fica ligada para ele não se achar só demais e, com ansiedade, voltar a destruir algo em casa, aqui tem disso!).

Levanto decidida, pego a minha bolsa que já estava preparada desde cedo e, sei lá porque, sinto algo dentro de mim, não é uma coisa ruim, não, é só um ‘nada disso’ e digo a mim mesma, quase sem acreditar no que estou ouvindo: “Não, eu não vou.”

Terá sido o olharzinho do meu bichinho, enroladinho feito caracol na cama, como se dissesse “já vai me deixar, né”? Terá sido preguiça, acomodação? Não, não creio. O que sinto é tão diferente. Estou tão bem, me sinto tão em paz, uma leveza tão gostosa!

O humor na boa…vontade de rir do nada, às vezes chorar de emoção por quase nada… ou será que quase nada é quase tudo e eu não me dei conta?  Ou me dei conta e estou aqui de lero-lero?
Pela manhã, enquanto trocava idéia com o filho por e-mail, tocou no rádio uma música que, geralmente, eu ouvia saindo do quarto dele e me deu saudade, comecei a chorar. Mas foi um choro tão feliz, de saber que se o meu eterno meninão está em outro estado é porque está bem, numa fase profissional muitíssimo bacana!

Não senti tristeza, eu senti alegria, comecei a agradecer a Deus por tantas bênçãos, pelo filho maravilhoso, pela vida, pela saúde, pela força, pela família, pelo Luke, pelo trabalho, pela sensibilidade de me emocionar assim, por quase nada… está bem, isso é muito, é tudo ou quase.
Em frente a mim a janela, um visual bonito, contraste de montanha repleta de verde, árvores de diversos tipos, e o céu azulzinho, algumas nuvens esparsas, um ventinho bom entrando no quarto…

Então, bolsa na mão, decidi não ir. Mas eu não sou caseira, como assim não quero mais ir onde iria, onde adoro, para ficar em casa? Sei lá, mas eu quis.  Algo, não sei bem o que, desde ontem, me faz mudar repentinamente o rumo.

Ontem,  já na rua desviei, fiz outro tipo de passeio, fui ao shopping almoçar no meio da tarde, depois a um salão fazer a mão (sem ter marcado, e num salão onde não costumo ir), botando um esmalte cinza claro que jamais usei antes, porque queria algo diferente, nem que fosse só por uns dias. Uso sempre cores variadas, claras, médias e escuras, mas cinza jamais botei, deu vontade e cá está. Bonitinho, mas as cores mais ‘mulher’ me atraem mais,  não há dúvida.

Então, de novo hoje, já praticamente na porta, me ouvi dizer em voz alta: não vou. Meia volta, volver! Larguei a bolsa, fui para o banheiro, entrei no chuveiro, tomei um banho delicioso. Depois, fui para a cozinha, peguei a sopa de abobrinha que sobrou da noite de anteontem, esquentei e tomei com gosto! Depois, de sobremesa, um caqui.

Lavei a louça, pensando ainda no que estaria acontecendo, ainda sem crer que optei, numa tarde tão bonita, por ficar no meu cantinho. Concluí que meu anjo da guarda, sempre tão atencioso e vigilante, me inspirou e com isso eu não estarei no lugar errado, na hora errada… ou estarei no lugar certo, na  hora certa… E como sou muito amiga do meu anjo, e muito grata, confiando sempre nele, estou aqui na boa.

No rádio, ouço Caetano cantar de novo a música ‘Você é linda” que fez para mim. Ué, que cara é essa, não sabiam que ele fez para mim? Ahhh, mas nem ele sabe! 😀 Mas eu sei, deixa assim tá? Ele vai cantando e eu vou concordando aqui, sem modéstia nenhuma!

E a paz aumenta, e o sorriso não sai da boca, e o Luke permanece cochilando, agora de novo na cama ao meu lado, e a música já mudou, e eu com vontade de escrever isso tudo aqui…

Geralmente, eu pensaria que estou perdendo tempo em casa, em vez de estar saracoteando como adoro, principalmente na areia da praia, sob o sol. Não sei porque, mas hoje, exatamente hoje, está me bastando admirar pela janela um pouco desse dia lindo, então é isso. Mais tarde, quem sabe, eu faço outra coisa… Porém, mais tarde ainda é futuro, quando chegar, saberei.

Agora é o agora, é ele que estou vivendo e está bom demais.

E o seu dia, como está? Desejo que esteja ó-ti-mo. Se teve saco de ler isso tudo aí em cima, valeu! Se não teve e pulou logo pra cá, beleza também, o que vale é estar feliz, tá? Eu estou. Beijão.

Update 1: Nando Neri, estou com você em oração pela recuperação dos seus pais e para que a pequena guerreira Fátima logo esteja ótima, viu?

Update 2 (13/05): Povo do blogspot, estou visitando vocês, mas não consigo comentr, o Blogger está dando mensagem de indisponibilidade, ok?

Anúncios
Esse post foi publicado em Uncategorized. Bookmark o link permanente.

24 respostas para Aqui e agora…

  1. Mônica disse:

    E há como parar de ler seus posts no meio do caminho?
    Não, não tem!!!
    Sei bem o que é ficar longe de entes queridos, encarnados ou não! É dolorido, mas o melhor, é poder sorrir com um filho distante, ouvir a voz, imaginar a carinha dele… Isso é um grande prazer!!!
    Eu imaginei todas as imagens que vc relatou ai… e confesso que é uma delícia!!!
    A gente sempre tão cheia de horários, sem curtir nossa casinha… Acho que fez muito bem, e melhor ainda em ouvir seu anjinho da guarda!
    ♪ Dias de luz, festa de sol…♫
    Um beijo

  2. Elaine disse:

    Que post gostoso de ler.
    Eu tenho muito disso, adoro sair, mas também adoro ficar em casa sem fazer nada (o que é raro)..gosto de curtir a casa, meu canto.
    Fez bem em escutar seu anjo sim. As vezes acontecem coisas/situações que não são tão comuns, apenas para nos poupar de aborrecimentos desnecessários, e como diria uma amiga minha, até um livramento maior. Agradeça sim, siga sua intuição. Eu segui a minha, também não saí e olha quue tinha muita coisa pra fazer na rua. Optei por ficar em casa, arrumando os armários, como já falei, e a sensação de dever cumprido e a paz que sinto é imensa. Agora vou tomar um banho e passear com minha baby.

    Beijocas

  3. Tetê disse:

    Eu estava lendo esse seu “vou – não vou” e pensando “eu daria ouvido à minha intuição e não iria”! Vejo que você também leva isso à sério! Talvez nem fosse acontecer nada de ruim, poderia até ter levado um susto desnecessário…
    Essa sensação que você teve mexendo nas coisas de sua mãe, eu tive nas coisas da minha avó. Quantos presentes embalados ela guardava… camisolas e calcinhas novas, na embalagem… Eu não quero nem saber de guardar nada para usar amanhã. Compro ou ganho, abro e uso. Algo especial para um dia especial? Eu compro na véspera!
    Minha irmã e mãe melhoraram, meu maridinho chegou cedo do serviço! Ouvi a chave na maçaneta já vi que não era coisa boa! Só espero que não seja dengue! Se amanhã ele não estiver bem, vou carregá-lo para a emergência!
    Foi mesmo uma manhã linda… agora está nublando e o vento vem frio da praia… Bjks Tetê

  4. walquiria disse:

    Oi Beth, realmente com o passar do tempo vai ficando natural, mas é preciso perseverar. As vezes é preciso curtir as coisas um pouco mais, os filhos, a casa, o marido, amigos, corremos tanto que as vezes esquecemos do essencial. Quanto a sua intuição, quem tem fé o escuta o anjo de guarda. Amém, beijos

  5. Rose (SJCampos) disse:

    Liiiiinda……como vc está bem!
    Acompanho seu blog à muito tempo…..as alegrias, as tristezas…..e nunca vi vc tão bem….tão plena…..tão segura de si. Estou por aqui sempre torcendo pra vc ser feliz…..vc merece tuuuuudo de bom. Um abraço.

  6. Lela disse:

    Que férias maravilhosas…

    como é bom te ler

    Conheço essa sensação como “Paz de espírito” vc a define muito bem!

    Beiju, miga*

  7. Estela Máris disse:

    Oi, Beth Maravilhosa!
    E tem como não ler um post teu por inteiro? Tu tens uma intimidade com as palavras que eu fico boba! Eu adoro esse jeito de escrever, tão detalhado, que faz eu me sentir tão pequenina em meio a tantas palavras. Pequenina mas confortada, sempre! Na verdade eu li o post ontem, logo que recebi o aviso no meu email. E me deu uma vontade louca de correr pra casa… até chorei, porque ultimamente tenho me sentido tão triste e nem sei o porque. Mas vai passar, eu sei, sempre passa. E é sempre bom vir aqui em busca do conforto que preciso.
    Beijão!

    • Beth disse:

      Vamos mandar a tristeza embora, tá? Combinado? Seja lá o que estiver fazendo ela encostar-se em você, peteleco nela. Fique com a seguinte oração, que encontrei ontem nos guardados da mamãe e que, independente de religião, é confortadora, pense nela cada vez que a tristeza quiser incomodar e ela irá se dissipar:
      “A luz de Deus me envolve, o poder de Deus me protege. O amor de Deus me invade, a presença de Deus cuida. Onde quer que eu esteja, ali Ele está.”
      Beijos querida!

  8. Leila disse:

    Parecia um poema, uma novela, um conto…nossa, que historia linda, chorei e ri com vc, te juro…um dia qq numa vida de ferias, contada tao bem, eu vivenciei com vc este momento
    MOMENTO SOU NORMAL E DAI rs…mas super bem passado
    OTIMO, LINDO
    amei

  9. Cátia disse:

    Adorei ler seu texto…de certa forma me deu Paz…algo que estava faltando em mim! Tenho andado um pouco em baixo…Tenho que lhe escrever amiga. Espero que esteja tudo bem com você. Beijos

  10. Realmente o blog ontem esteve “fora do ar” e eu surtei de vez (rs). Também queria comentar em alguns cantinhos e não conseguia.

    Seu post foi muito comovente para mim, já me senti assim várias vezes, estranhando minhas escolhas, escolhas que normalmente não faria, mesmo assim em paz. É realmente como você falou, como se um anjo da guarda estivesse me influenciando a fazer o certo.

    Você como sempre escrevendo algo tão especial e comum a mim e com certeza outras se encaixam, como se suas palavras fossem as minhas.

    Linda como sempre!

    BJocas

  11. rosimeyreo disse:

    Oii amiga, ta achando que te esqueci kkkk, esqueci não, tava sem net, fiz o post da semana passada correndinho na minha mãe no domingo e desde então não tinha conseguida voltar aqui , mas agradeço o carinho de sempre, hj já estou melhor do machucado da corrida de domingo ,esta semana fiquei sem treinar … mas cuidei da boca, semana que vem quero retornar. Beijos millll amiga.

  12. Vanessa disse:

    Oi Beth!!!

    conheço essa sensação de misto de alegria, saudade… é nostalgia… de tempos queridos

    sei também como é gostoso ter TEMPO para fazer ( e não fazer ) o que quiser…

    ir para a praia é tudo de bom… mas sentir uma brisinha gostosa, no aconchego de casa… ahhhh, é uma coisa muito querida!!!

    beijussssssssss, e ótimo final de semana!!!

    ps: li seu post tudinho, viu… de cabo à rabo! rsssss

  13. Brian disse:

    Oi, Beth!

    Lendo esse post me senti na sua casa..rs.rs
    Eu ri do “guaraná com rolha”…rs.rs.rs, nunca havia ouvido isso.
    Se eu não for antes, também terei MUITA coisa pra lembrar da minha mãe enquanto eu limpo os armários dela, quando ela se for. Como ela junta coisinhas..rs.rs, mas não apegos sentimentais dela.
    Uma vez eu li: quando a gente faz uma faxina jogando as coisas fora, ficamos abertos a coisas novas. Isso vale para a alma também.

    Abraços!

  14. cacau disse:

    Aprender a curtir o agora eh uma bencao, e traz uma paz imensa….e ouvir a sua intuição foi o melhor a fazer. Se o anjo disse FICA, a gente obedece! Beijos e parabens por estar usando esse tempo pra se reciclar, se energizar, se encontrar.

  15. Dani disse:

    Olá Beth,

    Post lindo, vivendo a vida e percebendo que pequenas coisas nos fazem tão bem, recordações, lembranças e músicas nos fazem “viajar”, emocionam de verdade e nos fazem viver!!!

    Grande beijo

  16. Nanda disse:

    Nas férias, a gente tem que fazer o que o coração pede; sem tantas amarras; E queria te convidar pra promoção de niver do IP. Apareça. Beijos.

  17. Olá Beth…
    Vim agradecer e retribuir a sua visita e acabei me deparando com um blog maravilhoso, como eu podia não conhecer ainda????
    Fiquei admirada ao ver as suas fotos, que progresso maravilhoso, parabéns pela evolução e emagrecimento.

    Beijos e ótimo resto de domingo

  18. O bom de estar de férias é poder ir a hora que der vontade e decidir que não se quer ir porque a vontade passou, rsss.
    Beijos gatona, tenha uma ótima semana!

  19. Edite Lima disse:

    Ah, bete, vc descreveu tão bem o seu dia, que posso vê-la vestida para a praia, mas indecisa se vai ou não, o Luke deitado a seus pés me lembra a cachorrinha cacau de minha irmã deitada a meus pés. Evc separando os pertences de sua mãe… em cada objeto uma lembrança. O diploma expedido em “mil novecentos e guaraná de rolha”.. Aqui dei boas risadas…. kkkk, pois não conhecia essa expressão. Puxa, Eu quase que pego essa época. Se nascesse um pouquinho antes…Sou ´pouquinho mais adiantada. Já peguei guaraná de tampimha e na garrafinha de vidro. Vc acho q não conheceu.. Hoje acho q não existe mais. Bem, mas deixemos de saudosismo. Vc deve “ser linda mesmo”, como na canção de Caetano Veloso. Abraços e boa semana. Ah, ia me esquecendo de dizer que meu neto nasceu. Leia a notícia lá no blog. Bjs.

  20. Beth disse:

    Oi Edite! Conheci sim, garota… eu sou de 1956! 🙂 Já conheci tanta coisa! kkkkParabéns pelo netinho, vou lá saber! Beijo!

  21. Elaine N disse:

    Olá, Beth. Nada como a gente se respeitar, não é? Isto é válido para tudo: pessoal, casamento, filhos, trabalho, relação com outras pessoas e inclusive no emagrecimento.
    No emagrecimento, o respeito ao escolher o melhor alimento, o melhor horário e até a hora de dizer: “Chega!”. Curta as suas férias de montão, descanse bastante, não descanse bastante, rsss… Tenha uma semana linda e maravilhosa! Ah, foi lindo você comentando sobre os pertences da sua mãe… Beijos!!!

  22. Luciana Carvalho disse:

    Oi Beth, vc não querendo ir na praia!! Somente lendo o post todo eu acreditei. Mas, enfim, importante é que vc esta bem e feliz. Beijos, Luciana
    ah…..aproveite bem as ferias.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s