Recordar é viver…

Adoro ver fotos minhas, de todas as épocas da minha vida. Até mesmo dos momentos que não estavam lá tão bacanas, ou que eu é que não estava lá grande coisa. Tudo faz parte da minha história, são registros, ilustrações…

Infância, adolescência, fase adulta em diversas etapas, tudo me deu bagagem, e dessa bagagem, o que vale a pena vou carregando. Sabem, tudo de certa forma vale, tudo tem uma história, tem risos ou choros, indiferenças ou celebrações, até indignações, tudo foi vivido! Mas, a gente vai aprendendo a dar o devido peso a cada coisa.

Tive uma adolescência bem legal, não há do que me queixar. Aproveitei bem. Namoradeira, estudante ‘meia-boca’ numa determinada fase, mega-responsável para certas coisas e nem tanto para outras, sempre (até hoje) escolhendo ao que dar um foco especial, nem sempre sendo tão sensata assim nessas escolhas.

Sempre sorridente, brincalhona, mas também brigona e malcriada, firme nas minhas idéias e na forma de expor, às vezes muito, muito grossa. No que não mudei tanto até aqui, é fato.

Em agosto de 1971 eu fiz 15 anos, estava terminando o curso ginasial (se fosse hoje, seria a 8ª série), estudava piano já há 8 anos, sendo aluna do Conservatório Brasileiro de Música e estava concluindo também Teoria Musical, que fazia parte do currículo de lá.

E já era há 2 anos auxiliar da minha profª de piano, ia na casa de algumas aluninhas dela, ainda bem criancinhas(uma delas tinha 5 aninhos), para ajudá-las nos estudos práticos e teóricos.  Algumas ainda nem sabiam ler, então eu que pegava a caderneta e ia vendo o que tinha sido passado para a semana delas e ia ensinando, posicionando as suas mãozinhas no teclado do piano.

Ensinando com calma toda a teoria de que precisavam na época, conduzindo os seus dedinhos para aprenderem as escalas e arpejos, ensinando-as a lerem as partituras, quando nem sabiam ainda ler e escrever os próprios nomes!

E no final elas aprendiam e  tocavam, e eu as tinha como minhas semi-aluninhas, cheia de orgulho. E aquilo me dava uma graninha muito boa mensalmente, pois eram meninas de famílias abastadas e a minha hora, embora eu fosse uma adolescente ainda, era hora de ‘gente grande’.

E ainda me virava nos trinta para curtir adoidado, não perder praia, jogar vôlei (não era grande jogadora não, era medíocre, mas adorava e vivia com a bola de vôlei pendurada numa sacola trançada, feito rede) e namorar (isso era de lei…rs), estar com amigos…
Era muito bom.

Naquela época eu roía as unhas, depois parava, depois voltava a roer, isso foi um troço que custei muito mesmo a parar de fazer. Hábito feioso adquirido quando ainda era criança e que só larguei de vez já adulta, com boa estrada percorrida.

Aos 15 anos eu me apaixonava e desapaixonava, desde muito antes (fui precoce mesmo nesse setor), com uma facilidade tremenda. E aí, apaixonava e namorava  por uns dias que fosse, depois desapaixonava e terminava, e apaixonava de novo …rs

Eram namoros rápidos, quase uma ‘ficada’ (que na época não existia) só que de dias, no máximo 1 mês.  Como era bem bonitinha, chovia garoto querendo me namorar. E eu aproveitava!

Gostava de variar roupas, usar tudo que estava na moda, mas não era metida a só usar griffe, até porque na época isso não tinha nada a ver.  Mas quando a calça comprida era Lee ou Levis, dava orgulho usar! kkk E camiseta da Bibba de Ipanema, eu quis sim, aí tinha umas 2 verdadeiras e outras genéricas, que a imitavam! rs

Na época, vestia tudo que desse na telha, o manequim era normalzinho, tudo caía bem.  Tinha muita roupa feita por costureira ou mesmo pela minha mãe, que não costurava lá grandes coisas, mas se esforçava, para eu ter toda a variedade que gostava, a um custo menor, já que a grana não era tão farta assim como minhas vontades.

Também comprava roupa pronta com facilidade, pois não tinha problema algum com peso, embora volta e meia cismasse que estava gorda e desse piti na frente do espelho. E quando até estava mesmo com uma gordurinha à toa aparecendo, bastava uma semaninha sem comer goiabada na sobremesa que aquilo sumia.

Na época, pesava lindos 58 quilos, já com a altura que tenho hoje, 1,67 e meio (que eu arredondo para 1,68 para facilitar a vida né?). Embora muita gente jure que eu sou mais alta que isso, pois aparento sim, não é nada além disso, mesmo.

Cabelos bem longos, na altura da cintura, que usava soltos ou num rabo de cavalo displicente, pele sempre bronzeadona, vestidos e saias curtas, também usava e abusava de peças como bustiê (era como se chamava na época os tops) e frente única (top que não tinha nada nas costas, a não ser a tira que amarrava embaixo e no escoço).

Não era magrela, apesar do peso excelente, que eu não deixava aumentar. Tinha os ossos da clavícula (as saboneteiras) bem à mostra, mas era carnudinha nos quadris,tinha as coxas grossinhas, mas tudo bem equilibrado e, modéstia à  parte, bonito.

Nem imaginava que um dia pesaria mais que 60 Kg (peso que achava horroroso, não me permitia encostar nele), depois 70, 80, 90, 100… até 140 e uns quebrados como aconteceu deixei acontecer.

Nem que um dia mudaria totalmente meus hábitos alimentares, não abandonando tudo que gosto, mas passando a comer e, mais especial ainda, com imenso prazer, uma grande variedade de legumes e verduras que, naquela época e até os 46 anos e tal, rejeitava totalmente, tinha nojo de uma boa parte, o cheiro já me dava aversão.

E que graças a essa mudança, associada a outras (na cabeça), eu emagreceria mais de 50 quilos desta vez sem remédios, sem loucuras, sem dietas malucas/da moda, sem um monte de porcaria que ao longo de mais de 20 anos experimentei, tudo em vão.

E que depois conseguiria, aos poucos, a proeza de recuperar 20kg desses 53kg eliminados, e que ficaria num tal de mais 5 kg, menos 5 kg, um nheco-nheco daqueles (mas que vão embora novamente e de vez, ahhh vão sim!!!)

Tanta coisa eu não sabia, quantos amores, quantos desamores, quanta gente chegou na minha vida, quanta gente ficou até hoje, quanta gente foi devidamente defenestrada, outros continuam meio que por perto, mas a proximidade física nada tem a ver, porque fizeram por onde perderem, com a proximidade afetiva.

Eu tinha uma carinha meio angelical, era só a carinha! kkkkkkkkkkk

Adorava dançar (até hoje), cantar (quando o meu cachorro deixa, acho que ele pensa que estou passando mal quando me ouve, e vem correndo me calar), curtir praia (sempre, sempre), ir ao jogo do Flamengo (paixãoooo), entre tantas outras coisas.

Adorava ficar pendurada no telefone, coisa que hoje não me atrai tanto, já falo bastante durante o trabalho, em casa eu realmente não aprecio tanto, é raro querer mesmo ficar de papo.  Só outro dia, que levei mais de 3 horas conversando com uma amiga daquela época, com quem não falava há tempos e colocamos muita conversa em dia, foi uma delícia!

Hoje uma colega desde a infância, que estudou comigo no primário e também no ginásio e que era também vizinha de rua, que reencontrei graças ao Facebook,  me enviou uma foto nossa, daquela época.

Na foto, a nossa turminha do ginásio, em dezembro de 1971. E eu ali, na frente, tendo ao lado justamente essa amiga que mencionei acima (a do papo de mais de 3 horas no telefone).  Ainda outro dia, posávamos meio que na marra para uma foto do colégio. Há 3 semanas, eu fui na festinha de 5 anos da netinha dela!

Tenho outra foto desse mesmo dia, bem parecida com essa que ela me enviou, mas está guardada e adorei receber dessa coleguinha a lembrança, deu uma saudade tremenda, vieram tantas recordações!

Lembrei de quando a mamãe comprou esse vestido que eu uso na foto, de estilo romântico, meninota,  que estava tão em moda, e lembrei da briga que eu criei porque o achei COMPRIDO, já que usava mais curtinho, normalmente. Ele tinha sido usado num outro evento e também era para a missa de encerramento do ginásio, por isso ela botou pé firme, naquela vez, para eu não encurtar mais.  Então ela botou pé firme e eu o usei sem encurtar mais com muita raiva, fiquei danada da vida.

Hoje acho graça vendo a foto e lembrando disso, pois não era tão comprido assim, certo? Kkk Ele tinha fundo branco e as flores eram em roxo com detalhes verdes, suaves, bem bonitinho sim. Lembro de quando me apaixonei por essa sandália que uso na foto, branca (na época era o máximo sandália alta branca), com salto altinho, mas grossinho, como se usava. Me encantei porque o couro era todo em relevo, como se fosse pele de alguma coisa… não sei explicar.

Nessa foto que a coleguinha me enviou eu estou com um sorriso meio travado, o sol batendo na cara, algo estava me enchendo o saco, pelo visto. Na que eu tenho estou com um sorrisão mais aberto, vou achá-la.

Trouxe para vocês verem, recortei para preservar privacidades, mesmo o povo todo já estando coroa hoje em dia, mas sabem como é, a gente cuida né?
É isso. Compartilhei um pouquinho de mim, láááá atrás, com vocês hoje. Sei lá se vocês vão achar esse post interessante, mas para mim está sendo uma curtição.

Beijos, bom feriado, boa continuação de semana (a minha está ótima e light!).

Anúncios
Esse post foi publicado em Uncategorized. Bookmark o link permanente.

31 respostas para Recordar é viver…

  1. Tina Terencio disse:

    Ai, Beth, adoro qndo vc conta as suas historias do passado, lembro muito da minha mae(ela faleceu em 2010 com apenas 56 anos)e ate choro, pq ela contava as historias de sua adolescencia assim como vc fez e faz as vezes.
    Adoro seu cantinho, viu amiga!
    Bjaum!
    Ps.: te add no facebook, viu? Bjs!

  2. Ah, amei seu post! Tão bom te conhecer mais um pouco!
    Mas eu nunca fui fã de fotos, nem de tirá-las nem de revê-las… passou, vivi, tá na memória. E as fotos de gorducha? rasguei quase todas! aiai…

    Beijão pra ti.
    Ah, estavas linda nesse foto! Eu amo fotos em preto e branco, parece poético.

  3. Fabíola disse:

    Olá, Beth!
    Adorei o post, como é bom voltar ao passado e ver tudo que fizemos e passamos de bom, né!
    Bom restinho de semana.
    Beijos

  4. Oieeee!! Adorei saber um pouco mais sobre você!E te achei muito bonita!!
    Como é bom relembrar momentos que foram tão bons e outros nem tanto às vezes…
    Beijão e ótimo restinho de feriado…

  5. cristiane disse:

    Olá Beth… que passado maravilhoso… adoro o seu cantinho… a forma como escreve… Me bateu uma dorzinha no fundo do coração pois eu bem mais jovem que vc não tive um adocelsencia assim… Nunca fui a namoradeira, a gostosona, acho que vevido eu não ter um rosoto tão lindo e principalmente pelo o excesso de peso. Mas tive momentos bons, e sempre vou lutar contra estes traumas..
    Um bjo

  6. tatycarioka2 disse:

    Nossa história de Beth,a morena da praia!
    Rio nos anos 70….nossaaaaaaaaaaaaaa!
    Desde novinha “já fechava o comércio’,hein como se dizia antigamente!
    Recordar é viver

    Cuide-se…
    eu moro em Cabufa e só posso pegar sol da manhã
    Nêga de pele sensível..só eu merrmo!

    Beijaum

  7. Ahhhhhhh, Beth, amei esse post! Adoro histórias cheias de uma certa nostalgia… Ando sumida, mas gostaria de agradecer seu carinho comigo sempre, viu!! Beijos!!! Cris

  8. Esse post tá lindo, Beth… Cheio de saudade boa…
    Adorei, eu visualizei vc lá na praia, rsrsrsrsrs
    Vc tá inda na foto, igualzinha, amiga… Igualzinha hoje…
    Só aposto que vc não usa mais essas sandalias super anos 70, rsrsrsrs…
    Lindo chamisiê…Adoro!
    Mas vem cá, fala sério…
    VC TOCA PIANO, menina ????????
    Que showw!!!
    Muuuuuuuuuitas beijocas

  9. Ane Caroline disse:

    Oi Beth, que legal voce ter tão avida na memoria suas lembranças de adolescente….
    Eu tenho um problema com memoria, pouco me lembro da minha infancia, fico com medo de quando tiver na casa dos 50 nao me lembrar da minha juventude….

    E voce era linda mesmo hein…. e piano??? nossa nao sabia que voce tocava, eu sempre sonhei em fazer aula, mas sem ter um piano em casa pra treinar nao vale a pena neh… quem sabe daqui uns anos eu consigo comprar um e começar aulas…

    beijos e otima semana pra ti!

  10. ANDREA disse:

    Recordar é viver, não é mesmo?
    Gosto de posts assim, cheios de histórias boas, cheios de vida.
    E como já disse antes, vc era uma gatinha, rsrs.
    Imagino os garotos doidos pra te namorar.

    Também adoro ver fotos, tenho caixas delas… mas no momento tô evitando.
    Ando muito sentimental, rsrs.
    Talvez algum dia eu crie coragem e coloque algumas fotos da minha adolescência, rsrs.
    Por aqui as coisas vão indo.
    Não emagreço um graminha sequer.
    Não engordo nada também, mas dá um desânimo continuar assim…
    Claro que nem me atrevo a reclamar, rsrs, antes manter do que engordar, mas é difícil.
    Abro mão de muitas coisas (só não passo fome) e nada muda…
    No meu caso tá até chato pq vez ou outra vem algum intrometido perguntar pq eu não emagreço se como tão pouco… aff.
    Vai ver são os sapos que ando engolindo, rsrs.
    Bem, mas o importante é nunca desistir.

    Beijoss.

  11. Brian L.H. disse:

    Legal repartir conosco um pouco mais da sua história, Beth Gatinha de Praia!!!!

    Vamos em frente!

    Saúde para todos nós!!!!!

  12. teresinha disse:

    Adorei o post . No 71 eu estava con 17 anos e vin morar na Venezuela. Que saudade do meu Brasil!

  13. Micha disse:

    ah danada!!!! e desde qdo esse vestido era comprido..ahahaha achei curtíssimo. hahahahahaha
    recordar é viver…e q ótimo q ainda mantem contato com essa amiga.

    /(,”)\\
    ./_\\. Beijossssssssss
    _| |_…………….

  14. Dellis disse:

    Oi, ainda bem q entrei aqui hoje, adoro ler livros de memorias, e viajei na q vc contou.
    Parece q eu estava te vendo! Que eu estava lá!
    Já pensou em escrever um livro de memórias?! Eu iria adorar ler!
    bjos da minha familia, na sua!

  15. Dellis disse:

    Não costumo me escrever um muitos blogs, mas queria me escrever no seu, mas não vi onde! 😦
    Bjo

    • Beth disse:

      Dellis, não entendi exatamente o que você deseja fazer, é algo como ‘seguir’ o blog? Ihhh se for isso, nem eu sei. Mas guarde o endereço dele e venha sempre que quiser! É como faço com os blogs que acompanho. Mas se eu descobrir como é, aviso ok? Beijos!

  16. sandra curia disse:

    Ai, Beth, que texto lindo!!!! mais lindas as histórias, recordações…
    Amei a foto, vc já era muito bonita!
    De vez em quando, faça esta sessão nostalgia!
    bj

  17. Elaine disse:

    Uau!!!!!!!Menina, morena…que linda! Adorei a foto e a história. Beijocas!

  18. Monica disse:

    Que delícia né?!
    Como diz o ditado, recordar é viver
    E como vi, aqui são boas recordações… e que boas recordações…
    Post me fez pensar em tanta coisa…
    Em como tb tive uma infância feliz… uma adolescência igualmente…
    Fase adulta, feliz tb, mas com problemas na balança… Enfim
    Mto bom ler este post..
    Sou apaixonada por piano, nunca tive condições de fazer aula, e minha filha, tb é apaixonada, esperar ela crescer um pouco mais e inserir ela em uma aula,,.. ela adora música cl[assica, assim como eu rsrs
    Um beijo

    saudade de vc!!
    “Mônica”

  19. Dani disse:

    Oi Beth quanta saudade de vc , sua amiguinha aqui está numa ótima fase, mais maluquinha e menos chatinha estressada…rsrsrs adoro quando vc escreve sobre vc nos faz ter uma aula de sabedoria e marturidade, e que foto mais linda , pernão heim vc um charme em pessoa e o vestido que lindo …bom Beth demoro mas venho um beijão Dani

  20. cristeli disse:

    Beth querida…
    Lembra de mim…sou a Cristeli…q saudade de vcs!!
    Voce sempre alto astral…delicia…visitei tbem a Taty Carioka,,,gente me emociono de ler as coisas dela agora sozinha.Que carinho tenho por vcs…fizeram parte da minha vida em u8m momento especial e vou levar vcs no coraçao sempre.
    Abraçaoooooooooooooooooooooooooo
    Cristeli

  21. ♥ Cris disse:

    oi querida, saudades!
    eu sempre corri de fotos, tanto que pra fazer o antes e depois tive que procurar foto na casa dos parentes…rsssss….

    beijão!

  22. Cris disse:

    OI, Beth!
    Adoro seus textos, e confesso que adorei esse post…que gostoso relembrar tempos que foram bons, né?
    Linda você na foto…e esse vestido não estava comprido coisa nenhuma…hahahaaaa…

    Andei meio sumida por causa da minha mudança, mas agora já voltei… =)
    Bjs, querida! Bom feriadão!

  23. E você ainda toca piano? Linda foto. Tenho saudades da adolescência, época de muito namoro.

  24. Bartira disse:

    adorei sua foto; se sabe que tbem adoro fotos. tenho tudo guardado em várias caixas. engracado que olho e vejo que eu nao era gorda como eu pensava que fosse. aff, a vida todo me achando gorda.rs. agora isso tá passando, acho que envelhecemos e nos aceitamos mais nao é?rs/ beijo amiga, bom domingo.

  25. eloyzareis disse:

    Que linda!!!!
    Menina vc sempre arrasando..nao importa época.
    Fui lendo seu post e pensando na imensidao de fotos que tive que deixar no Brasil.
    Momentos que se perdem na minha memória…mas nada que se possa fazer.
    Tinha que colocar minha vida em 23kg da mala kkk
    Muito sucesso sempre.
    A sua presença no blog me inspira sempre.
    Estou até me sentindo motivada de novo.
    Essa fase de baixa motivaçao nao quer sair de mim…mas eu vou vencer.
    Beijos minha musa.
    Te quiero mucho!!!

    Eloyza Reis

  26. Eu LU na LUZ disse:

    Por acaso encontrei teu blog e me encantei com a maneira que escreves, belo relato, bela menina na foto! Inegavelmente fotos são como jóias raras, adoro fotos… Elas possuem o poder de nos transportar no tempo, períodos muitas vezes que nem sabíamos de fato quem éramos, o que seríamos, enfim, hoje a gente se vê e sente saudade! Forte abraço e parabéns pela tua ótima escrita, texto enxuto e atraente, gostei de verdade!

  27. Nanda disse:

    As fotos contam histórias! Eu gosto mais de fotografar que aparecer em fotos e mesmo assim, pelas fotos que tiro, consigo lembrar de bons momentos. Bela recordação a sua. Beijos!

  28. Lu Pinheiro disse:

    Oi querida…
    que lindo post relembrei as fases com vc…
    voltei a postar e o meu novo blog é http://www.aprocuradasaude.blogspot.com
    vc está linda na foto, amei o modelo do vestido…
    bjs da Lu

  29. Magui disse:

    Boas lembranças, algumas bem semelhantes às minhas. Entre algumas,por exemplo, apaixonar e desapaixonar com frequência.Achei que era só eu e ,de vez em quando, quando me lembro, acho que eu era maluca mas vejo que não. O tamanho da barra também foi , uma vez ,problema tão grande que papai desfez tudo e mandoiu abaixar e tb não era nada como os dias de hoje.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s